quarta-feira, 24 de maio de 2017

O Povo tem que saber: Pezão quer jogar culpa da crise nos servidores do estado


O governador Pezão, atolado com o seu partido, o PMDB, em denúncias graves de corrupção, quer votar amanhã na Assembleia Legislativa (Alerj) o projeto de lei que aumenta o desconto previdenciário dos servidores do estado de 11% para 14%.

Segundo o governador, somente com essa lei o governo do estado poderá "sair da crise".

Ou seja, Pezão quer jogar nas costas dos servidores toda a culpa da crise que ele e Cabral criaram, com muita incompetência e corrupção com o dinheiro público.

Aliás, apenas para lembrar: Cabral, o mentor de Pezão, está preso no Rio, acusado pela Operação Calicute da Polícia Federal (braço da lava jato no Rio) de desvio de centenas de milhões do governo, juntamente com vários de seus ex-secretários.

E o governador Pezão também está sendo investigado por malfeitos em seu governo.

É esse governador que vem atrasando os salários dos servidores da ativa, aposentados e pensionistas desde o final de 2015; que não pagou o 13º salários para os funcionários.

Que aprovou a venda da Cedae para a iniciativa privada para satisfazer o governo ilegítimo e corrupto de Temer.

Pezão, que não vem pagando os prestadores de serviço e o custeio e por isso vemos hospitais, UPAs, UPPs, escolas, delegacias etc quase paralisadas.

A UERJ, uma das mais importantes universidades do país, vem sofrendo com os atrasos salariais e a falta de pagamento dos prestadores – as aulas começaram somente em abril e ela pode voltar a fechar a qualquer momento novamente por total falta de condições.

É esta a situação de nosso estado, e que o governador propõe? Taxar ainda mais os servidores, que estão com os salários atrasados e que, por conta de lei sancionada por semana passada por Temer, ficarão os próximos três anos sem direito a reajustes salariais.

Os profissionais de educação estaduais, em conjunto com os demais servidores, não aceitarão mais essa maldade de Pezão e irão resistir.

Nessa quarta-feira, dia 24, a partir das 13h, os servidores estaduais vão acompanhar a votação na Alerj, a partir das 13h.

Todos lá!

Nenhum direito a menos!

Marcha denuncia escalada da violência na Maré


Organizado pelo Fórum "Basta de Violência! Outra Maré é Possível”, ato acontece nessa quarta, dia 24, a partir das 13h, e reivindica o direito dos moradores de favela à segurança pública.

Diversas organizações da sociedade civil e artistas como Lázaro Ramos, Maria Flor, Camila Pitanga, Patrícia Pillar e Bruno Gagliasso, entre outros, apoiam a marcha.

Enquanto em 2016, 17 pessoas foram mortas em decorrência de operações policiais realizadas no Complexo da Maré; só nos 5 primeiros meses de 2017 já chega a 13 o número de moradores que perderam suas vidas durante essas operações brutais e ineficazes. Além disso, até o momento as crianças e jovens da Maré ficaram 11 dias sem aula e os moradores já contabilizam 17 dias de postos de saúde fechados, inclusive no dia da campanha de vacinação.

Atenção categoria da Rede Municipal: Sobre o Plano de Saúde!

Estamos tomando as medidas políticas e jurídicas contra os prejuízos que teremos com as mudanças no plano de saúde. Solicitamos que aquelas e aqueles que estejam enfrentando problemas para dar continuidade a tratamentos, acompanhamento da gestação, parto, ou outra situação, entre em contato conosco através dos e-mails: regional4@seperj.org.br ou seperegional004@gmail.com relatando a situação.

terça-feira, 23 de maio de 2017

Secretaria de Saúde do SEPE faz novo Boletim

A Secretaria de Saúde e Direitos Humanos do Sepe fez o seu novo boletim, com destaque para o grave problema da síndrome de Burnout.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Greve de 24 horas quarta (24) nas redes estadual e municipal do Rio - ato na Alerj 13h



Dia 24 vamos parar o Brasil e daqui pra frente estamos na construção da greve geral de 48 horas em conjunto com toda a classe trabalhadora, juntos com os diferentes setores que estão sendo afetados pelas reformas que o Governo Ilegítimo de Temer impõe sobre os brasileiros.

No dia 24, ocorrerá uma grande marcha em Brasília, que contará com a participação de uma caravana dos profissionais de educação do nosso estado.

Nesse dia 24, os profissionais da educação pública da rede estadual e rede municipal do Rio de Janeiro farão uma greve de 24 horas em adesão ao protesto nacional contra as reformas, contra o pacote de Pezão e contra a proposta de reforma de Crivella da PreviRio.

REDE ESTADUAL FAZ ATO NA QUARTA, 13H

Os profissionais de educação farão uma greve de 24 horas nessa quarta, dia 24, em apoio à luta contra as reformas e pela renúncia de Temer e contra o pacote  de Pezão, que quer aprovar o aumento do desconto previdenciário de 11% para 14% - a Alerj deverá começar a discutir o projeto esta semana.

Por isso, o Muspe está convocando um grande ato na Alerj, às 13h, nessa mesma quarta, dia 24. A rede estadual realiza assembleia dia 27, na ABI, às 14h.

Quem não for na caravana para Brasília participará de atos locais em protesto contra os atrasos salariais que vêm sofrendo os servidores estaduais, inclusive os aposentados da Educação, que ainda não receberam o salário de abril - todos os servidores também não receberam o 13º salário. Por isso, os servidores pedem a saída imediata do governador Pezão.

A rede estadual realiza assembleia dia 27, na ABI, às 14h.

MUNICÍPIO DO RIO TAMBÉM FAZ GREVE DE 24 HORAS

Na rede municipal do Rio, a greve de 24 horas também é um protesto contra a proposta de reforma da PreviRio, que pretende taxar ainda mais os aposentados e servidores.

Já a rede municipal do Rio faz assembleia dia 31, às 18h, na sede do Sinpro-Rio (Rua Pedro Lessa, nº 35.

Siga-nos pelo seu e-m@il

As 10 postagens mais acessadas

Arquivo do blog

Pesquisar este blog

Seguidores