quarta-feira, 30 de julho de 2014

Sepe teve audiência com a SEEDUC na sexta-feira (dia 25/7): veja o que foi discutido

O Sepe teve audiência com a SEEDUC na sexta-feria (dia 25 de julho). Representaram a secretaria os seguintes assessores : Paulo Fortunato, Patricia Reis, Antonie Lousão e Antonio Neto. Pela direção do SEPE estiveram presentes todos os Coordenadores Gerais: Alex Trentino, Elson Paiva, Gesa Corrêa, Ivanete da Conceição e Marta Moraes.

A representação da SEEDUC abriu a audiência apresentando a justificativa da ausência do Secretário de Educação Wilson Risolia que, segundo os mesmos, se encontrava em reunião com o governador Pezão.

Na fala do SEPE, afirmamos nosso entendimento sobre o Decreto do governador de que o abono para fins financeiros e funcionais significava retorno à origem.

A posição da Secretaria foi a de que, com a ilegalidade da greve, os grevistas perderam a origem, por isso estavam colocados na situação de abandono de cargo. Depois, os representantes da Secretaria disseram que cerca de 800 profissionais já estavam com a situação funcional regularizada e que os casos ainda não resolvidos, devem ser tratados através da abertura de protocolo na Central de Atendimento da página da Seeduc.

O superintendente de Gestão de Pessoas, Antonie Lousão, apesar desta orientação, recebeu o registro de alguns casos e se comprometeu a dar um retorno. Se comprometeu também em tentar agilizar as respostas da Central de Relacionamento, mas deixou claro que mesmo os profissionais com problema de conflito de horário, devem comparecer as Unidades Escolares e cumprir horário até que o caso seja resolvido.

Outra questão discutida foi a daqueles profissionais com problemas de horário, convocados por D.O. e que precisam fazer a escolha de nova lotação até que a situação se resolva.

Os representantes de Risolia reafirmaram que os valores descontados serão restituídos no próximo pagamento. O período de reposição é de 12 de maio até 11 de junho.

Foi feita solicitação de nova audiência para tratar da questão da reposição.

FOTOS: Sepe realiza ato Em Defesa do Direito de Greve

Veja as fotos do Ato realizado ontem na ABI em Defesa do Direito de Greve promovido pelo SEPE.

Veja as fotos pelo link https://plus.google.com/photos/114384503842202911664/albums/6040080042344352977?authkey... Ver mais

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Aposentados da rede estadual: Sepe reabre cadastramento para ação do Nova Escola

O Sepe informa que, a partir do dia 15 de julho, será reaberto o cadastramento para o processo de execução da gratificação do Nova Escola aos professores e funcionários da rede estadual aposentados pela regra da paridade até setembro de 2009. 

O sindicato adverte que esta é a última e improrrogável convocação para aqueles que desejem receber o benefício, segundo decisão da Justiça. O cadastramento terminará no dia 30 de agosto de 2014.

Para efetuar o cadastramento o profissional aposentado deve dirigir-se ao Núcleo ou Regional do Sepe mais próximo, com os seguintes documentos:

- CPF;
- Identidade;
- Comprovante de residência;
- Comprovante de filiação ao SEPE/RJ;
- Contracheque atual e
- D.O. da publicação da (s) aposentadoria (s).

Para visualizar e imprimir a ficha cadastral de filiados acesse o link http://www.seperj.org.br/admin/fotos/biblioteca/biblioteca59.pdf.

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Veja ofício da SEEDUC e orientações do SEPE sobre os procedimentos para os profissionais que estavam em greve

OFICIO DA SEEDUC
Confira o ofício enviado pela SEEDUC no dia 11/07 sobre os procedimentos para os profissionais que estavam em greve. Para visualizar o documento clique aqui http://www.seperj.org.br/admin/fotos/boletim/boletim478.jpg e aqui http://www.seperj.org.br/admin/fotos/boletim/boletim479.jpg.

O Sepe alerta a categoria que o documento a ser protocolado na escola deve ser o que publicamos em nosso site. Clique aqui para visualizar e imprimir o arquivo.


ORIENTAÇÃO DO SEPE

As Metropolitanas não podem abrir para os concursados novos, opção de escolha nas escolas com vagas de grevistas na data de hoje.

As Metropolitanas que permitiram tal procedimento serão denunciadas na própria SEEDUC, pois estão descumprindo circular 222014/SEEDUC. Se isso acontecer na sua Metro, entre em contato com coordenação do SEPE imediatamente, para que a situação possa ser revertida.

Calendário de Mobilização do SEPE-RJ (16/7 a 30/08)

16/07/2014 - Plenária dos profissionais das escolas municipais que estão sofrendo perseguições por parte do governo municipal, às 18h, (local a confirmar)

24/07/2014 - Ato em defesa do direito de greve e contra as perseguições dos governos, às 18h, na ABI.

02/08/2014 - Conselho deliberativo da rede municipal, às 10h, no SEPE/RJ

16/08/2014 - Conselho deliberativo da rede estadual, às 10h, no SEPE/RJ

30/08/2014 - Conselho orçamentário, às 10h, no SEPE/RJ

ATENÇÃO PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DO ESTADO: VEJAM AS DECISÕES DA PLENÁRIA DOS PROFISSIONAIS FORA DA GRADE DE HORÁRIO

Hoje tivemos plenária dos profissionais da Rede Estadual que estão fora da grade de horário. As orientações para os que retornam para o reinício do ano letivo na próxima segunda-feira são:

1- Comparecer à escola logo cedo levando o modelo de formulário disponibilizado pelo SEPE (http://www.seperj.org.br/admin/fotos/boletim/boletim476.pdf). Os profissionais devem levar três vias assinadas e pedir acusação de recebimento em duas delas (uma delas deverá ser entregue ao jurídico do sindicato). Verificar se a sua vaga permanece disponível e comunicar à direção a intenção de assumí-la assim que o decreto for publicado;

2- Em seguida, comparecer à Metropolitana para verificar sua situação funcional e protocolar mais uma vez o documento do SEPE/RJ. Estamos marcando na METRO às 10h para esta etapa.

3- Qualquer problema ligar p coordenação geral SEPE/RJ

COMUNICADO DA DIREÇÃO DO SEPE/RJ A RESPEITO DA ASSEMBLEIA DO DIA 07 DE JULHO

Sobre a assembleia do dia 07 de julho:

A direção do SEPE/RJ informa que a categoria presente à assembleia do dia 07 de julho deliberou, por ampla maioria de profissionais credenciados, não retornar à greve encerrada na assembleia do dia 27 de junho.

Também informa que a assembleia foi encerrada por falta de condições de dar prosseguimento às discussões pois a condução da mesa foi inviabilizada . A ampla maioria da categoria presente concordou com o encerramento da assembleia e se retirou do local.

Reiterando nossa responsabilidade com a categoria, a direção do SEPE/RJ está encaminhando ações políticas e jurídicas para garantir os direitos de todos.

Dentre as ações políticas estão os contatos com diversos setores do governo, tanto do estado quanto do município, para estabelecer negociações, prioritariamente sobre os inquéritos administrativos resultantes da greve e devolução dos salários, bem como atos de solidariedade nos diversos setores da sociedade civil organizada.

sexta-feira, 11 de julho de 2014

O Sepe continua recebendo moções de apoio de vários sindicatos e instituições do país. Veja abaixo as recebidas nos últimos dias.

SINTUFF
Acesse pelo link http://www.seperj.org.br/admin/fotos/boletim/boletim477.pdf

SINTRAJUD

Nós, do Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Estado de São Paulo - SINTRAJUD, nos solidarizamos com os professores e funcionários das escolas públicas da cidade e do Estado do Rio de Janeiro que lutam por melhores salários, condições de trabalho e ensino.

Repudiamos as ações do prefeito, Sr. Eduardo Paes, e do governador, Sr. Luiz Fernando Pezão, que além de atacar e reduzir as verbas da educação, faz uma série de ameaças aos trabalhadores das escolas públicas.

Exigimos do Prefeito e do Governador o respeito ao direito de greve e o reconhecimento da Campanha Salarial de 2014 e seu movimento grevista. Neste sentido, repudiamos a manobra jurídica de aplicação de decisões judiciais da greve passada no atual movimento. Exigimos o atendimento de todas as reivindicações das categorias em luta, o fim de todos os processos de perseguição política e retaliações administrativas aos educadores grevistas. Exigimos ainda a devolução dos valores referentes aos dias ilegalmente descontados pela prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro.

Diretoria Executiva

SINTRAJUD


SINASEFE

Nós, do SINASEFE, nos solidarizamos com os professores e funcionários das escolas públicas da cidade e do Estado do Rio de Janeiro que lutam por melhores salários, condições de trabalho e ensino.

Repudiamos as ações do prefeito, Sr. Eduardo Paes, e do governador, Sr. Luiz Fernando Pezão, que além de atacar e reduzir as verbas da educação, faz uma série de ameaças aos trabalhadores das escolas públicas.

Exigimos do Prefeito e do Governador o respeito ao direito de greve e o reconhecimento da Campanha Salarial de 2014 e seu movimento grevista. Neste sentido, repudiamos a manobra jurídica de aplicação de decisões judiciais da greve passada no atual movimento. Exigimos o atendimento de todas as reivindicações das categorias em luta, o fim de todos os processos de perseguição política e retaliações administrativas aos educadores grevistas. Exigimos ainda a devolução dos valores referentes aos dias ilegalmente descontados pela prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro.

SINTE - Regional Itajaí

Nós, do SINTE - Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Santa Catarina - Regional de Itajaí, nos solidarizamos com os professores e funcionários das escolas públicas da cidade e do Estado do Rio de Janeiro que lutam por melhores salários, condições de trabalho e ensino.

Repudiamos as ações do prefeito, Sr. Eduardo Paes, e do governador, Sr. Luiz Fernando Pezão, que além de atacar e reduzir as verbas da educação, faz uma série de ameaças aos trabalhadores das escolas públicas.

Exigimos do Prefeito e do Governador o respeito ao direito de greve e o reconhecimento da Campanha Salarial de 2014 e seu movimento grevista. Neste sentido, repudiamos a manobra jurídica de aplicação de decisões judiciais da greve passada no atual movimento. Exigimos o atendimento de todas as reivindicações das categorias em luta, o fim de todos os processos de perseguição política e retaliações administrativas aos educadores grevistas. Exigimos ainda a devolução dos valores referentes aos dias ilegalmente descontados pela prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro.

Coordenação Regional de Itajaí.

segunda-feira, 7 de julho de 2014

AUDIÊNCIA COM A SEEDUC NO DIA 03 DE JULHO:VEJA O QUE FOI DISCUTIDO

Audiência com a SEEDUC em 03/07/2014

Presentes: Mirna, Florinda, Vera do Egito, Rosilene e Dodora, diretoras do Sepe

SEEDUC: Patrícia Reis, Paulo Fortunato e Claudia Reibolt, asssessores do secretário Risolia

Nesta audiência questionamos a perda de lotação de quem fez a greve, os descontos dos dias parados e o prosseguimento dos inquéritos administrativos.

A SEEDUC informou que, devido à greve ter sido julgada ilegal e o MP pressionar a SEEDUC para regularizar o funcionamento das aulas, a secretaria, que já tinha previsto a chamada de novos concursados, colocou disponível no sistema os horários dos professores que estavam com inquérito por abandono de serviço. E que esses profissionais voltarão para a escola após o abono do ponto por parte da Casa Civil, com decreto do governador.

A mesma orientação foi feita com relação à folha suplementar para a devolução dos descontos. A SEEDUC está esperando a ordem do governador.

Insistimos que o governo, na pessoa do deputado André Correa, fez um acordo com o SEPE, com anuência do Colégio de Líderes da ALERJ, e que esse acordo estava sendo descumprido. Informam-nos que um e-mail do Deputado André Correa para o secretário Risolia explica os termos do acordo e que eles reconhecem.

Por isso, vão provocar a Casa Civil para que essa envie oficialmente os termos do acordo. Assim, os profissionais poderão voltar a trabalhar.

Solicitamos nova audiência entre o sindicato e o secretário, o mais rápido possível.

sábado, 5 de julho de 2014

Deliberações da Assembleia Local de 2/7/2014

Nesta data companheir@s da Regional IV se reuniram em assembleia. Nela encaminhamos atos e mobilizações em forma de repúdio aos cortes de salários e processos contra profissionais de educação grevistas. Seguem alguns:

Indicativos: 
a) que seja realizado conselho deliberativo no dia 5/7 para que todos possam participar; 
b) que seja feita campanha contra perseguições políticas e corte de ponto em busdoor, outdoor e faixas pelo SEPE Central.

Propostas aprovadas: 
a) que seja feita moção de repúdio contra conteúdo parcial na nota no site do SEPE sobre reunião do SEPE Central, em que houve denúncia de cárcere privado; 
b) que seja composta conselho de ética acerca da circunstância, bem como sobre a conduta da diretora Vera do Egito; 
c) confecção de faixa pela Regional IV sobre perseguição política a grevistas profissionais da educação das redes estadual e municipal; 
d) que seja feita campanha de arrecadação de dinheiro para fundo de greve, como bônus e festa junina (a ser organizada pela Regional IV em local e hora a confirmar, sendo o lucro revertido pro fundo de greve); 
e) ato dia 9/7/14, de 17 às 19h, na praça das nações, com faixa nos sinais vermelhos e distribuição de carta à população; 
f) fixação de cartazes na linha férrea da zona da leopoldina; 
g) que seja utilizado imediatamente o fundo de greve para subsistência dos profissionais de educação descontados; 
h) que seja articulada campanha nacional contra as perseguições políticas;
i) que seja desenvolvido trabalho de formação política da base através de leituras, palestras, seminários, filmes, etc. 
j) campanha nas redes sociais; 
k) que seja feito questionamento quanto ao pagamento do 13º salário ao dpto jurídico do SEPE.  

Todos à assembleia dia 7/7/14. A luta continua!

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Vereadores condenam descontos e falta de diálogo do governo municipal com os profissionais da rede municipal

Em pronunciamentos realizados ontem (dia 2 de julho) na Câmara Municipal, vereadores condenaram o corte no ponto e as retaliações do governo municipal aos profissionais das escolas municipais que realizaram a greve. Diversos parlamentares também criticaram a recusa da secretária municipal de Educação, Helena Bomeny, de receber uma comissão do legislativo para discutir a questão dos descontos e da reprovação de dezenas de professores que se encontravam em estágio probatório por realizarem a greve unificada da Educação. A direção do sindicato percorreu os gabinetes da Câmara, solicitando a intervenção do órgão junto ao governo municipal para reverter as medidas arbitrárias contra a categoria. Veja alguns pronunciamentos contra o comportamento da prefeitura e da SME:

Vereador Brizola Neto (PDT): “Não consigo entender como uma secretária ded Educação recusa uma audiência com oito vereadores, cancelando uma reunião e se recusando a remarca-la. (...) A audiência tinha objetivo de tratar da questão da demissão, ou seja, do corte no salário dos professores que fizeram greve. (...)P Cortar o salário dos trabalhadores é mesquinho e demonstra uma pequenez muito amarga. (...) Profissionais estão com os salários cortados e impedidos de pegar uma condução para dar suas aulas. Pior, quando se corta o ponto, a SME dá uma clara indicação: não é preciso repor as aulas(...)

Vereador Jorge Felippe (PMDB e presidente da Câmara): “Vou procurar intervir para que os vereadores sejam recebidos. Naturalmente se isso não ocorrer, vamos convocar a secretária à Câmara de Vereadores para prestar os devidos esclarecimentos.”

Vereador Reimont (PT): “Faço coro à fala do vereador Leonel Brizola Neto em relação aos profissionais de educação. (...) Nós temos profissionais da educação, que no eu entendimento, é um segmento imprescindível para a sociedade, um segmento que merece todo o nosso respeito, profissionais que tem recebido nesses dias o contracheque com R$ 22,00 na sua conta corrente. Sabemos que o Estatuto do Servidor fala sobre o teto de 10% para desconto por mês dos profissionais de educação. O que o prefeito está fazendo com essa ação na SME é dizer exatamente: “Nós estamos nos lixando para a educação”. (...) A Alerj fez votação, fez encaminhamento, encaminhou para o governador para que fossem relidas, para que fossem anuladas as ações contra os profissionais de Educação do Estado. (...) Que a secretária de Educação Helena Bomeny abra espaço na agenda para conversar conosco, para conversar com os profissionais de educação.”

Vereador Eliomar Coelho (PSOL): (...) “O que está acontecendo com os professores... (...) Há muito tempo que existe um processo de sucateamento político das nossas escolas públicas, com objetivo de entrega-las à iniciativa privada. Hoje, por exemplo, é riscada, na prática da política educacional a autonomia pedagógica. Hoje a prefeitura compra pacotes pedagógicos que nada tem a ver com a realidade dos nossos alunos. É um absurdo atrás do outro! (...) Os profissionais de educação, inclusive, decidiram encerrar com a greve na última assembleia. Uma sinalização por parte da categoria de que quer conversar, dialogar. E isso é vedado pelo executivo, que está apostando, exatamente, no arrebentar da estrutura do movimento sindical da categoria dos profissionais no Estado do Rio de Janeiro.

Vereador Renato Cinco (PSOL): “Eu quero saber como a secretária de Educação e o prefeito têm a cara de pau de dizer que estão preocupados com os estudantes das escolas municipais, quando tem a coragem de pagar R$ 22 a um profissional da educação do município do Rio de Janeiro. Mesmo a greve acabando, como esse profissional vai se apresentar na escola para dar aulas? Quem vai pagar a passagem de ônibus? Esse profissional não tem dinheiro para alimentar sua família, não tem dinheiro para pegar o ônibus para dar aula. A prefeitura está inviabilizando qualquer tipo de relação saudável entre o poder municipal e os profissionais da educação com esse tipo de medida.

Carta aos responsáveis das escolas e creches do Rio de Janeiro


Há anos, a educação pública é deixada de lado pelos governos. No Rio de Janeiro não é diferente. A prefeitura tem verbas, mas o prefeito Eduardo Paes não investe nas escolas e creches. Por isso, faltam professores e funcionários, merenda de qualidade, quadras esportivas, laboratórios de Ciências e Informática, materiais básicos para as aulas. Muitas estão com problemas elétricos, hidráulicos, precisando de reformas. Não há ar condicionado nas salas. Para garantir investimentos nas escolas, creches e garantir um ensino melhor para os alunos, os profissionais de educação entraram em greve no dia 12 de maio.

O prefeito não nos atendeu, não apresentou nenhuma proposta de melhoria para a educação e ainda deixou professores/funcionários sem salário e com processos que podem levar à demissão. Estes trabalhadores agora não tem dinheiro para comprar comida, pagar passagem para trabalhar, nem sustentar suas famílias.

A prefeitura atacou o direito de greve dos profissionais da educação, assim como fez com os garis e ameaça cerca de 60 professores e funcionários com a demissão. Entre esses, existem mulheres grávidas que sustentam suas famílias.

Por isso, solicitamos o apoio dos responsáveis das escolas e creches, que também exigem padrão de qualidade para a educação de seus filhos.

Enviem e-mail ao prefeito e assinem nosso abaixo-assinado (acesse aqui http://www.seperj.org.br/admin/fotos/boletim/boletim473.pdf).

Nossa luta é a mesma: defender a educação pública, gratuita, laica e de qualidade.

Nota de repúdio sobre o incidente ocorrido na reunião do dia 30 de junho

A direção do Sepe/RJ, presente na reunião extraordinária realizada no auditório do sindicato no dia 30 de junho, repudia a ação de militantes de alguns grupos de oposição que tentaram impedir fisicamente que mulheres da direção e da base da categoria saíssem do auditório do Sepe, bloqueando as portas do mesmo por vários minutos.

Tais práticas desses setores têm criado um clima de desrespeito e agressões nas instâncias do sindicato, reuniões, conselhos e assembleias.

Reiteramos o nosso respeito a todos os posicionamentos políticos presentes na luta, mas não aceitaremos que as divergências sejam tratadas de formas desrespeitosas, caluniosas, machistas e com ameaças de violência.

Não podemos concordar que em nosso meio existam tais práticas, que são nocivas à construção política coletiva.

Retomemos o centro de nossas ações e nossos objetivos de lutar por uma educação pública de qualidade para todos e o respeito à base da categoria, que construiu esse imenso patrimônio político que é o Sepe RJ.

Fonte: Sepe-RJ

terça-feira, 1 de julho de 2014

Siga-nos pelo seu e-m@il

As 10 postagens mais acessadas

Seguidores