segunda-feira, 18 de julho de 2011

Apoie a luta dos profissionais da rede estadual

Entre em contato com os canais abaixo (e outros de sua preferência) e expresse sua insatisfação com o tratamento dado à Educação Pública por parte do governo do Estado do Rio. Denuncie este descaso, faça sua parte!

Informações importantes:

Piso salarial de um professor com nível universitário: R$ 610,38;

Piso salarial de um funcionário de Escola Estadual: R$433,00.

Jornal O Globo / Telefone (21) 25345000: http://oglobo.globo.com/servicos/faleconosco_jornal/?v=jornal

Jornal do Brasil / Telefone (21) 39234438;

cartas@jb.com.br;

Secretário de Estado de Educação do Rio de Janeiro - Sr. Wilson Risolia: wilson.risolia@educacao.rj.gov.br

Gabinete da Presidente da República – Dilma Rousseff: https://sistema.planalto.gov.br/falepr2/index.php

RJ TV (Rede Globo) http://g1.globo.com/fale-conosco.html

Balanço Geral (Record – Wagner Montes) http://www.recordrio.com.br/programas.php?p=1

Jornal da Band (Bandeirantes – Ricardo Boechat) http://www.band.com.br/jornaldaband/fale-conosco.asp

Cidade Alerta (Record – José Luiz Datena) http://noticias.r7.com/cidade-alerta/

Jornal O Dia / Telefone (21)22228282

Nota oficial do Sepe - porque somos contra o Saerjinho

O Sepe esclarece a respeito da matéria veiculada pelo RJ TV 2ª Edição hoje: as provas do Saerjinho são uma parte importante do Plano de Metas apresentado pela Secretaria Estadual de Educação e tem como um dos seus eixos a meritocracia. Isto significa que o resultado desta e de outras avaliações externas será utilizado para “premiar ou punir” professores e funcionários de acordo com o resultado das provas, estabelecendo uma lógica de remuneração variável.

Não somos contra a qualquer avaliação diagnóstica que tenha por objetivo identificar problemas no processo ensino aprendizagem para melhorar a qualidade da educação. O problema é que o Saerjinho é uma avaliação classificatória que pretende estabelecer salários diferentes de acordo com a produtividade de cada escola, desconhecendo que este sistema deu errado em vários lugares como Chile, EUA ou São Paulo, por exemplo. E deu errado aqui no Rio também com o Programa Nova Escola, que foi um tremendo fracasso.

Acreditamos que a educação é um direito de todos e dever do Estado. Estabelecer uma lógica produtivista na educação é esquecer que a escola não é fábrica, que a riqueza do processo educativo depende de muitas coisas além do esforço dos professores e funcionários, que não haverá qualidade na educação enquanto as condições de trabalho forem tão ruins que levam ao abandono de mais de 20 professores por dia.

Por último é preciso denunciar o que a SEEDUC esconde. O Plano de Metas (do qual o Saerjinho faz parte) pretende punir professores considerando até mesmo o número de alunas grávidas nas escolas. Se o número de alunas grávidas em uma determinada escola aumenta, o salário do professor diminui. Essa é a lógica da meritocracia: tentar culpar o profissional da educação por tudo o que acontece na escola.

Não boicotamos o Saerj para impedir um diagnóstico, pois nós profissionais da educação fazemos isso o tempo todo. Boicotamos o Saerj porque não podemos aceitar que a educação pública seja encarada como uma mercadoria vendida a preços diferentes dependendo das condições do “negócio”. Educação de qualidade é direito de todos!

Abaixo, citação do professor Luiz Carlos Freitas sobre o assunto

“Isso não significa que todas as escolas não tenham de ser eficazes em sua ação. Muito menos que as escolas que atendem à pobreza estejam desculpadas por não ensinarem, que têm alunos com mais dificuldades para acompanhar os afazeres da escola. Ao contrário, delas se espera mais competência ainda. Mas os meios e as formas de se obter essa qualidade não serão efetivos entregando as escolas à lógica mercadológica. A questão é um pouco mais complexa. Deixada à lógica do mercado, o resultado esperado será a institucionalização de escola para ricos e escola para pobres (da mesma maneira que temos celulares para ricos e para pobres). As primeiras canalizarão os melhores desempenhos, as últimas ficarão com os piores desempenhos. As primeiras continuarão sendo as melhores, as últimas continuarão sendo as piores. Mas o sistema terá criado um corredor para atender as classes mais bem posicionadas socialmente, o que será, é claro, atribuído ao mérito pessoal dos alunos e aos profissionais da escola.”

(Luiz Carlos Freitas. Eliminação adiada: o ocaso das classes populares no interior da escola e a ocultação da () qualidade do ensino. in:Educação e Sociedade, Campinas, vol. 28, n. 100 - Especial, p. 965-987, out. 2007.)

Sepe recolhe doações para a greve do estado


O Sepe está recebendo doações para ajudar a mobilização da rede estadual, em greve desde o dia 7 de junho. O interessado em ajudar pode depositar qualquer quantia nas contas bancárias em nome de Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação/RJ, banco Itaú, agência nº 5666 (Cidade Nova), nas contas: 00972-4 e 00979-9.

Atenção, o sindicato não autoriza o recolhimento de dinheiro que não seja nestas contas.

Diretoria do Sepe.

Ouça o governador Cabral prometendo investimentos na Educação


O site do Sepe disponibiliza, no link "Publicações da rede estadual" uma gravação de Sergio cabral, então candidato ao governo do estado, em que ele afirma que vai "valorizar o servidor públicoi, investir no servidor público" Ele também afirma que o gasto com a folha é baixo. Enfim, tudo ao contrário do que ele vem fazendo no poder. Ouça e repasse o arquivo (link: "Ouça as promessas de Cabral").

Campanha de arrecadação de fundos para a greve da rede estadual continua: contribua e fortaleça o movimento

O Sepe, agradece a participação de todos que estão contribuindo para a manutenção da mobilização em torno da greve na rede estadual e comunica que continua recebendo doações para ajudar a mobilização da rede estadual, em greve desde o dia 7 de junho. O interessado em ajudar pode depositar qualquer quantia na conta bancária em nome de Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação/RJ, banco Itaú, agência  nº 5666 (Cidade Nova),  conta: 00972-4. O sindicato resolveu centralizar os depósitos numa conta (antes eram duas) para ter um maior controle da contribuição que pode ser feita emqualquer agência do Banco Itaú.

Atenção, o sindicato não autoriza o recolhimento de dinheiro que não seja nestas contas.


Diretoria do Sepe.

Siga-nos pelo seu e-m@il

As 10 postagens mais acessadas

Seguidores