quarta-feira, 31 de julho de 2013

Vergonha: Prefeitura do Rio anuncia reajuste de apenas 6,75% para os serviodres municipais

A Secretaria Municipal da Casa Civil anunciou ontem (dia 30), no Jornal O Dia que o decreto oficializando um reajuste de apenas 6,75% - que correponde ao período de julho de 2012 a julho de 2013 e não traz qualquer ganho real - será publicado hoje no Diário Oficial do Município. 

O índice está bem abaixo das reivindicações da rede municipal de Educação, que se encontra em estado de greve e tem paralisação e assembleia marcadas para o dia 8 de agosto, quando a categoria poderá decidir por entrar em greve. Os profissionais das escolas municipais reivindicam um reajuste de 19% e a implantação imediata de um plano de carreira unificado e que corresponda aos anseios da categoria.

Desde o início da sua gestão, o prefeito Eduardo Paes tem mantido uma política de reajustes salariais que não trazem ganhos reais para o funcionalismo e acabam provocando a perda do poder aquisitivo das diferentes categorias de servidores municipais. 

No caso da educação municipal, que possui a maior rede pública da América Latina, os profissionais sofrem ao longo dos anos com sucessivos governos que aplicam uma política de arrocho e desvalorização dos nossos salários. O resultado disto é que muitas redes de municípios com arrecadações bem menores que a do Rio de Janeiro estão pagando salários maiores do que os da rede municipal do Rio.

Por este motivo, a participação da categoria na paralisação de 8 de agosto e a ida em massa à assembleia da rede, a partir das 10h, na sede do América Futebol Clube (Rua Campos Sales 118 - Tijuca) é fundamental para mostrar ao prefeito e à secretária Claudia Costin, que a rede está mobilizada e pronta para exigir o atendimento das suas reivindicações por valorização salarial e melhores condições de trabalho nas escolas.

Professores de 40h devem entrar com Pedido de Prorrogação de Posse, na SME

De acordo com as informações obtidas pela direção da Regional 6, junto à Secretaria Municipal de Educação, os professores que vão tomar posse sob regime de 40h, com Dedicação Exclusiva, devem ir à SME e dar entrada num “Pedido de Prorrogação de Posse, aguardando Parecer”, no setor de Admissão, com a professora Terezinha. Essa medida visa adiar a posse, sem perda da vaga, até que a Câmara dos Vereadores vote a favor do fim da Dedicação Exclusiva na Rede Municipal de Ensino.

Segundo a SME, os editais que oferecem carga horária de 40h continuam saindo com regime de Dedicação Exclusiva porque isso é exigência da Procuradoria e só quando os vereadores votarem pelo seu fim é que a secretaria poderá retirar a DE dos futuros editais. O Sepe entrará em contato com alguns vereadores para que eles entendam a urgência da situação e possam trabalhar pela rapidez da votação.

Contra redução das aulas presenciais, Sepe entrega pauta ao presidente do Conselho Estadual de Educação

Uma comissão formada pela direção do Sepe, uma representante da AERJ e profissionais de educação foi recebida nessa a terça-feira (30/07), no Conselho Estadual de Educação (CEE), pelo seu presidente, Roberto Guimarães Boclin. A Comissão entregou uma pauta de reivindicações e um conjunto de propostas, com criticas à redução em 20% do número de aulas presenciais nos colégios estaduais. A direção do sindicato questionou esse projeto, que leva ao roubo de conhecimento dos alunos da rede pública, desvio de verba pública para empresa privada, além de não resolver a questão da carência de professores na rede estadual.

Nossa proposta é a seguinte: carência se resolve com concurso público, valorização dos profissionais de educação, com política salarial digna, e com a garantia de uma matrícula uma escola. O projeto da Secretaria Estadual de Educação (SEEDUC) retira dos nossos alunos o direito a uma educação pública de qualidade. O presidente do CEE reafirmou à comissão de profissionais que o projeto foi retirado de pauta e que o secretário de Educação foi informado sobre essa retirada.

O presidente se comprometeu, ainda, em avisar ao Sepe se uma contraproposta for enviada pelo governo.

Por último, o sr. Boclin informou que o secretário de Educação comprometeu-se em realizar uma audiência o mais breve possível com a direção do sindicato.

Clique nos links abaixo para ler na íntegra a pauta de reivindicações:


terça-feira, 30 de julho de 2013

Sepe fará Vigília na SEEDUC nessa quarta-feira

O Sepe convoca os profissionais de educação para participarem de uma vigília em frente à Seeduc, nesta quarta-feira (31/07), a partir das 10h. 

Na pauta, à redução em 20% do número de aulas presenciais nos colégios estaduais, na qual o governo Cabral estará economizando dinheiro na contratação de mais professores e subtraindo o direito da nossa juventude de ter acesso a uma educação pública de qualidade. 

Reivindicamos que os professores tenham uma matrícula e uma escola, evitando que trabalhem em diversas instituições. Pedimos o reajuste para os animadores culturais, e o não remanejamento do novo EJA, com relação às matérias que ficarão nos últimos módulos. 

É importante a participação de todos. 

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Atenção rede municipal: Assembleia do dia 8 de agosto foi transferida para sede do América Futebol Clube na Tijuca

Visando a disponibilizar um espaço mais amplo, que acomode o grande número de profissionais da rede municipal esperados para a assembleia da rede que será realizada no dia 8 de agosto, com paralisação de 24 horas nas escolas, a direção do Sepe resolveu transferir o local do evento. 

Agora, a assembleia será realizada na sede do América Futebol Clube (Rua Campos Sales 118 - Tijuca), a partir das 10h. 

Neste dia, a plenária da categoria poderá decretar a greve por tempo indeterminado na rede municipal, fato que não ocorre há alguns anos. A recomendação do Sepe é a de que, no dia 8 de agosto, os profissionais de todas as unidades (escolas, creches, EDIs) fechem os seus locais de trabalho e participem da assembleia, acompanhando o aumento da mobilização das atividades da categoria já realizadas este ano. 

Só assim, poderemos alcançar o reajuste de 19% e a implementação de um plano de carreira unificado, capaz de resolver o problema da política de desvalorização profissional implementada pelo prefeito Eduardo Paes e pela secretária Claudia Costin.

CRESS-RJ lança cartilha sobre Direitos Humanos

Conheça a cartilha elaborada pela Comissão de Direitos Humanos do Conselho Regional de Serviço Social do Rio de Janeiro (CRESS-RJ), sobre exercício profissional do Assistente Social e o compromisso com a defesa dos Direitos Humanos. 

A cartilha traz importantes debates sobre direitos humanos, história e compromisso profissional no Serviço Social. Além disso, ainda divulga algumas entidades de defesa e socializa algumas referências bibliográficas. 

Fundamental para assistentes sociais, para educadores e também para o conjunto da população. Tome conhecimento e divulgue junto aos demais colegas e à comunidade. 

Acesse a cartilha completa aqui

Sepe participou de audiência com Conselho Estadual de Educação para discutir projeto de aula semipresencial da SEEDUC

direção do Sepe em audiência com o presidente do CEE
A direção do Sepe teve audiência na manhã desta terça-feira (dia 23 de julho) com o presidente do Conselho Estadual de Educação (CEE), professor Roberto Boclin. Além da direção do sindicato, participaram do encontro vários representantes da categoria e o ponto principal da discussão foi a proposta da SEEDUC de Educação à Distância para a educação básica, que institui um percentual de 20% de aulas semipresenciais para os alunos. O argumento do secretário Risolia é o de que esta proposta seria uma solução para a carência de professores da rede. 

A reunião se estendeu por duas horas e a direção do Sepe questionou o documento do CEE, argumentando que tal medida é em primeiro lugar, um desrespeito aos nossos alunos e se configura num verdadeiro roubo de conhecimento, trazendo graves prejuízos para os estudantes da escola pública, já tão abandonada e carente de investimentos.

A direção do sindicato também aproveitou para argumentar que, na verdade, essa questão só será resolvida com a abertura de concurso público com número real de vagas, que atenda a carência de profissionais nas escolas. Para a direção do Sepe, a solução do problema da falta de professores e funcionários também passa pela garantia de que os professores trabalhem em um escola por matrícula - uma tradição na rede estadual quebrada pelo governo Cabral,e  uma política de valorização salarial que estimule os profissionais de educação a permanecerem na rede estadual. Mostramos o levantamento feito pelo sindicato que mostra que, hoje, tres a quatro professores abandonam a rede estadual por causa dos baixos salários e da falta de condições de trabalho. 

Por último, argumentamos que é fundamental a recuperação da grade curricular de 2003 e que nenhuma disciplina tenha menos de dois tempos semanais, fato que vem acontecendo com as disciplinas de Filosofia e Sociologia. O presidente do CEE ouviu nossas argumentações e explicou que também não houve consenso no órgão sobre o assunto e afirmou que o documento  seria retirado de pauta. 

A direção do Sepe solicitou que o CEE enviasse à SEEDUC nossas propostas para resolução da carência de profissionais e a proposta foi prontamente aceita pelo professor Boclin, que marcou uma nova reunião para a próxima terça-feira, às 9h, quando apresentaremos o nosso documento.

A avaliação da direção do Sepe foi a de que a audiência foi vitoriosa, já que o CEE retirou a proposta da SEEDUC da sua pauta. Nossa pressão, agora, será em cima da SEEDUC para impedir que o secretário Risolia faça a resolução por meio de decreto, de forma independente do Conselho, já que este governo tem se mostrado bastante autoritário e pouco afeito ao diálogo.

Vamos apresentar à Comissão de Educação proposta para que o Conselho convoque uma audiência com o secretário de Educação, com a participação do Sepe, para exigirmos a retirada imediata desta proposta de Risolia.

Convocamos a categoria para participar no dia 31 de julho, às 10h, de um ato público em frente à SEEDUC.

Saiba mais lendo aqui

Sepe convoca profissionais das redes estadual e municipais para Assembleia Estatutária com vistas ao próximo Congresso de Educação

O Sepe convoca os profissionais de educação para a assembleia unificada estatutária, que deliberará sobre as normas regimentais, organização e participação no próximo Congresso de Educação do Sepe, previsto para ser realizado no segundo semestre. 

A assembleia será realizada na ACM (Rua da Lapa 86 - Centro), no dia 3 de agosto, das 9h às 15h.

sexta-feira, 19 de julho de 2013

19/7: Merendeiras realizam protesto em frente a prefeitura do Rio

As merendeiras da rede municipal do Rio realizam na manhã desta sexta-feria, 18/7, um protesto em frente a prefeitura reivindicado melhores condições de trabalho, fim do assédio moral e a convocação imediata das merendeiras aprovadas no último concurso conforme decisão judicial que o prefeito Eduardo Paes e a secretária Claúdia Costin vêm desrespeitando.


Foto: Max Laureano - Agência ANotA


Foto: Max Laureano - Agência ANotA


Foto: Max Laureano - Agência ANotA


Foto: Max Laureano - Agência ANotA


terça-feira, 16 de julho de 2013

Lutas e conquistas: Sepe faz 36 anos nesta terça-feira


Hoje, nesta terça-fera, dia 16 de julho, o Sepe comemora mais um aniversário, o de número 36. O Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação se legitimou no dia-a-dia das lutas travadas pelos educadores do Rio de Janeiro. Muitas lutas ficaram marcadas em nossa memória:

Uma história de Lutas

O ano de 1979 foi um marco na história do Sepe, quando conseguiu conquistar um piso salarial equivalente a cinco salários mínimos, numa greve considerada histórica para o movimento. Nesse período, o governador Chagas Freitas mandou fechar a entidade, mas não conseguiu calar nossa voz nem frear nossa ação.

Em 1986, novo marco na luta do sindicato. Em greve, 25 mil professores, no Maracanãzinho, conquistaram um plano de carreira que regulamentava o enquadramento por formação, progressão e controle, pela categoria, da aplicabilidade do plano. 

Em razão da exclusão dos aposentados nesse plano, surgiu a primeira comissão de aposentados do Sepe que, junto à direção do sindicato, ampliou a luta e conseguiu, em 1987, a almejada paridade.

Em 1987, depois de várias discussões em anos anteriores,  A partir de cinco de outubro de 1988, com a nova Constituição Federal, os funcionários públicos passaram a ter direito à sindicalização.

O então ainda Cepe realiza, em dezembro de 1988, sua primeira Conferência de Educação, aprovando, a partir desta data, chamar-se Sepe – Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação, decisão esta referendada no IV Congresso, em 1989. Hoje, possui todos os documentos necessários ao reconhecimento do seu caráter sindical.



As lutas não param, continuamos nos mobilizando pela melhoria da educação em nosso estado. 

Professores pedem resposta a SEEDUC em relação a desconto indevido


Professores da Escola Estadual Visconde de Cairú e uma comissão da Regional III estiveram nesta sexta-feira (12/07), no prédio da SEEDUC, no Santo Cristo. 

O objetivo foi entender o porquê de um desconto indevido no pagamento de junho. 

A secretaria reconheceu o erro e prometeu marcar uma reunião desses profissionais com algum representante da própria SEEDUC na tentativa de solucionar o erro.

Professores da UFRJ lançam abaixo-assinado on line pedindo a saída do secretário de Educação Wilson Risolia: Veja como participar !

Os professores da Faculdade de Educação da UFRJ lançaram um abaixo-assinado no site Petição Pública, pedindo a saída do secretário de estado de Educação, Wilson Risolia. 

O objetivo é o de conseguir o máximo possível de assinaturas e denunciar a política educacional do governo do estado que se marca pelo autoritarismo, desvalorização profissional e fechamento de unidades escolares, entre outras mazelas que o Sepe já denuncia desde que o secretário, que não tem formação na área educacional, assumiu o cargo. 

Os profissionais de educação podem participar do abaixo assinado, entrando no site pelo link que disponibilizamos abaixo, ao final do texto. Veja o teor da petição dos professores da Faculdade de Educação da UFRJ.

Abaixo-assinado Carta aberta de professores e professoras da Faculdade de Educação da UFRJ

Na qualidade de professores e professoras, formadores dos futuros docentes da Educação Básica, vimos por meio desta manifestar nosso profundo descontentamento com a política educacional de nosso Estado. Trata-se de uma política que reputamos leviana e autoritária. Uma educação pública de qualidade não se constrói com bonificações, privatizações, perseguição e humilhação de professores, fechamento de unidades escolares, policiamento armado nas escolas, currículo e avaliação impostos de cima para baixo e péssimas condições de trabalho. Esta política irresponsável tem alcançado avanços medíocres em todos os índices educacionais. O Ensino Médio do Rio de Janeiro permanece abaixo da média nacional em todos os índices relevantes: matrícula, evasão e repetência. Em sua última ação arbitrária, o Sr. impõe um processo de certificação dos professores evidentemente inconstitucional, pois nenhum teste de proficiência pode servir como mecanismo de diferenciação salarial. Trata-se de mais um episódio absurdo dessa política que se ufana de tratar a escola pública como uma empresa, o que é contrário aos princípios pedagógicos mais óbvios, quando se trata de educação pública, de investimentos no cidadão e na cidadania, o que denuncia por si só seu caráter antirrepublicano e antidemocrático. Por tudo isto, nós, professores e professoras da Faculdade de Educação da UFRJ, lançamos esse abaixo-assinado pedindo a sua exoneração do cargo de Secretário de Educação do Estado do Rio de Janeiro, considerando que sua permanência compromete a plena escolarização de crianças, jovens e adultos de nosso Estado. O Sr. demonstrou, por diversas vezes, não estar preparado para esta função e sua continuidade à frente da Secretaria da Educação irá apenas perpetuar o descalabro em que se encontra a educação pública em nosso Estado.


Para participar, basta clicar no link e colocar a sua assinatura.

SEEDUC propõe redução de aula presencial para os alunos da rede no CEE

Aproveitando uma brecha da LDB, que apresenta uma possibilidade de ensino não presencial para os estudantes nas graduações, o secretário de Educação Wilson Risolia encaminhou um projeto de Resolução para ser aprovado no Conselho Estadual de Educação, reduzindo em 20% a frequência presencial para os estudantes da rede estadual. Ainda segundo a Resolução, os alunos assistiriam as aulas da grade, de segunda a quinta, e na sexta-feira ficariam liberados, frequentando as bibliotecas.

A mensagem encontrou resistência no próprio Conselho, que marcou para amanhã uma audiência pública. 

A direção do sindicato procurou a Comissão de Educação e conversou com a assessoria do deputado Conte Bittencourt, que nos passou os detalhes da Resolução que, apesar de ser pública, não teve divulgação. O deputado, presidente da comissão, alerta que, se tal matéria for aprovada, irá questioná-la na justiça.

Parece que o secretário de Educação, Sr. Wilson Risolia, não sentiu o clima das ruas do país e  tampouco do Estado, onde já são rotina manifestações exigindo a saída do governador. Demonstra com essa medida não só a falta de sensibilidade como  total descompromisso com a educação pública de qualidade neste Estado. 

Não podemos permitir mais esse ataque, pois, com essa medida, o governo Cabral estará economizando dinheiro na contratação de mais professores e subtraindo o direito da nossa juventude de ter acesso a uma educação pública de qualidade. Sem falar no que nos parece um deboche, pois gostaríamos de saber onde estão as bibliotecas e os bibliotecários, que abandonaram a rede por causa dos péssimos salários pagos pelo Estado!

"Queremos uma escola padrão FIFA". Com essa  frase, a população registrou a sua insatisfação com a educação pública brasileira e o desvio das verbas públicas que não chegam às escolas, mas nos parece que o governador Cabral e o secretário Risolia teimam em não ouvir as ruas.

Todos à audiência pública de amanhã, a partir das 9 horas na Av. Erasmo Braga, 118, Centro.

Vamos exigir a revogação dessa resolução!

CRESS-RJ lança postal de denúncia dos megaeventos e de crítica aos governos e a grande mídia.



quinta-feira, 11 de julho de 2013

VÍDEO: Rede municipal e estadual farão paralisações no dia 8 de agosto

Em Assembleia unificada, realizada nesta quinta-feira (11 de julho), no Cine Odeon, os mais de 600 profissionais da educação das redes estadual e municipal do Rio presentes decidiram fazer uma nova paralisação conjunta no dia 8 de agosto, com assembleias separadas.

Os profissionais da rede municipal decidiram alterar o seu calendário de atividades, antecipando a paralisação, prevista para os dias 13 e 14 de agosto, e que agora será realizada unicamente no dia 8 de agosto, quando será realizada uma assembleia da rede, para decidir se o município já entrará em greve a partir deste dia ou não.

A rede estadual também vai parar no dia 8 de agosto para realizar uma assembleia, à tarde (local a confirmar), para discutir os rumos da mobilização da educação estadual em luta pela garantia dos seus direitos e de melhores condições de trabalho.

A assembleia desta quinta-feira também aprovou um indicativo para as redes municipais do interior para que também realizem paralisações no dia 8 de agosto.

Veja o calendário das redes definido pela assembleia: 

Rede Municipal

Os profissionais de educação decidiram antecipar a paralisação para o dia 08 de agosto, quando será realizada uma assembleia na parte da manhã (horário e local a confirmar). Na assembleia será decidida a entrada ou não em greve.

Rede Estadual

Os profissionais da Rede Estadual decidiram fazer uma nova paralisação também no dia 08 de agosto, quando será realizada uma assembleia  à tarde (horário e local a confirmar). Nela serão discutidos os novos rumos da mobilização. 

Vídeo: Profissionais cantam: "Educação Parou!"

Escolas públicas estaduais e municipais vão paralisar as atividades nessa quinta-feira, 11 de julho, Dia Nacional de Lutas convocado pelas Centrais Sindicais

As escolas públicas das redes estadual e municipal do Rio de Janeiro vão paralisar as atividades nessa quinta-feira, dia 11 de julho, para participar do Dia Nacional de Luta convocado pelas centrais sindicais em defesa dos direitos dos trabalhadores.

Também no dia 11 de julho ocorrerá uma assembleia unificada na categoria, no cinema Odeon, na Cinelândia, às 10h. Em seguida, a categoria participará de uma passeata convocada pelo comando das centrais sindicais, com concentraçãona Candelária a partir das 15h.

Outras redes municipais também vão paralisar amanhã; são elas: Niterói, São Gonçalo, Volta Redonda, Macaé, NovaFriburgo, Duque de Caxias, São João de Meriti, Itaboraí e Campos.

Os profissionais de educação do Rio vão levar às manifestações suas reivindicações históricas, que são: piso salarial para o professor de cinco salários mínimos para o professor e de 3,5 salários para o funcionário administrativo; fim daterceirização e privatização das redes; eleição para diretor de escola; autonomia pedagógica das escolas e discussão daspolíticas educacionais com os governantes; implementação de Planos de Carreira Unificados para as redes que ainda nãoforam contempladas e cumprimento dos mesmos naquelas em que eles já existem, entre outras reivindicações.

Os profissionais de educação estiveram em todos os grandes atos realizados na capital e nas demais cidades do estado,desde o começo das manifestações populares, em junho.

As propostas nacionais que as centrais defendem são as seguintes:

- Reduzir tarifas e melhorar a qualidade dos transportes coletivos;

- Mais investimentos na saúde e educação pública;

- Fim do fator previdenciário e aumento das aposentadorias;

- Redução da jornada de trabalho;

- Fim dos leilões das reservas de petróleo;

- Contra o PL 4330 - da terceirização;

- Reforma Agrária.

segunda-feira, 8 de julho de 2013

11/07: ASSEMBLEIA CONJUNTA SERÁ NO CINE ODEON!!

O Sepe acaba de confirmar com a direção do Cine Odeon (Cinelândia) a realização da assembleia unificada que será realizada no dia 11 de julho, Dia Nacional de Luta, organizado pelas centrais sindicais e entidades representativas de trabalhadores e estudantes. 

A assembleia será realizada a partir das 10 horas e profissionais das redes estadual e municipal do Rio estão convocados para discutir os rumos da nossa mobilização. 

Logo depois da assembleia, a categoria participará de uma passeata, da Candelária até a Cinelândia, com concentração na Candelária, às 15 horas.



IASERJ realiza ato neste domingo em prol da Reconstrução de seu Hospital no Centro do Rio

O IASERJ convida todos a participarem do resgate da luta de reconstrução do hospital do IASERJ no Centro do Rio, e denunciar as mortes ocorridas após a remoção forçada dos pacientes do CTI, na calada da noite de 14/07/2012. O fato configurou uma grave violação de direitos dos pacientes por parte do governo Cabral, e com a cumplicidade do judiciário e Ministério Público estadual.

Participe do ato/missa campal em memória e protesto as mortes ocorridas, da Assembléia popular/comunitária e da visitação dos painéis com a linha do tempo do IASERJ antes e depois do governo Cabral

Data: 14/07, domingo, a partir das 10:30

Local: Praça Cruz Vermelha

terça-feira, 2 de julho de 2013

01/07/2013 Aposentados fazem poesia pedindo o pagamento da gratificação do R$ 164

Essa poesia é um lamento dos aposentados que aguardam o pagamento da ação vitoriosa do Sepe na Justiça, que determina que o governo estadual pague as gratificações de R$ 164 para professores aposentados e R$ 50 para os funcionários aposentados, e que, até agora, o governo Cabral descumpre. 


A atitude vamos louvar,    

Dos aposentados do RJ da Educação,

Pela abertura da luta política extrajudicial,

Usando a razão e o coração,

 para seus direitos conquistar.

Não podemos escutar:

"Tenho confiança que a Justiça garantirá

os direitos do Estado do Rio de Janeiro."

Será que para ele só existe justiça,

Quando é para lhe agradar?

O direito dos aposentados do Rio de Janeiro,

Conquistado na Justiça,

Deve ser protelado?

Sr. Governador, seja coerente!

Respeite o direito da gente.

Se o apelo fosse feito pela sua bondosa vovó,

Ela diria: "- Por Piedade!"

Já que ela ama a Justiça e a Solidariede.

Será que o Sr. Esqueceu

Que o suburbano é leal, decente

E na questão do direito não é diferente?

São quinze anos de sofrimento...

Seja justo, faça justiça,

Pegue sua caneta e escreva:

"Autorizo o pagamento.

 Sergio Cabral."

A Justiça será concretizada neste momento.

ALFORIA DO 164 - Alegria dos aposentados da Educação.

Passa a noite

Vinha o dia

A esperança do aposentado da Educação

Corria

Aumentando o aperto no coração

O bolso vazio

Dia a dia

De lamento em lamento

Não vinha boa noticia

Era só agonia

Ao Sergio Cabral pedia

O fim da tirania

Que seu pagamento

Não fosse mais causa de lamento

Nem sofrimento

Mas com a "libertação"

Tornar-se motivo de contentamento.

Será o fim da "escravidão".

Assine Sergio Cabral, dos aposentados, a libertação.

ALFORIA DO 164 -Alegria dos aposentados da Educação.

Passa a noite

Vinha o dia

A esperança do aposentado da Educação

Corria

Aumentando o aperto no coração

O bolso vazio

Dia a dia

De lamento em lamento

Não vinha boa noticia

Era só agonia

Ao Sergio Cabral pedia

O fim da tirania

Que seu pagamento

Não fosse mais causa de lamento

Nem sofrimento

Mas com a "libertação"

Tornar-se motivo de contentamento.

Será o fim da "escravidão".

Assine Sergio Cabral, dos aposentados, a libertação.

CABRAL NOS ENGANOU

"Idosos e aposentados votem em mim

Terão um paraíso sem fim"

Todos nós pegamos a onda

Para surfarmos na certeza

Da promessa  beleza

O tempo passou

O mar acalmou

Agora é só marola

 e sem dinheiro na sacola.

Recorremos ao Cabral:

"Que dê o paraíso sem fim"?

Pague nossos direitos

Nosso tempo de surfar está acabando

Estamos perdendo a agilidade

E também nossa maior preciosidade

Muitos são só motivos de saudades

estão surfando no mar da eternidade

Cabral onde está você?

Idosos e aposentados

Por Justiça estão clamando.

Antes que todos parem de navegar

SOS a todo Brasil vamos mandar:

" Aposentados do RJ da Educação

Há quatorze anos esperam

o dinheiro de sua "gratificação"

Cabral esbanja dinheiro no maráca

Em reformas e demolição

Festas e na danada da terceirização

Mas aos aposentados não paga não

E para completar o massacre

Promete usar o "pezão".

Ato Ecumênico pelos 13 mortos da Maré, nesta 3a-feira, 02/7, às 15 horas.

'Estado que mata, nunca mais' 

No clima de manifestações que agitaram o país, 26 entidades e moradores da Maré - maior complexo de favelas do Rio - realizam hoje, dia 2/7, um ato ecumênico em memória de dez mortos em ação do Bope na comunidade na semana passada. 

O encontro será às 15h na Passarela 9 da Avenida Brasil. A palavra de ordem do protesto será "Estado que mata, nunca mais".

Os membros do Observatório de Favelas, responsabiliza o governador Sérgio Cabral e o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame pelas violentas ações policiais nas favelas cariocas e  diz:"Exigimos um pedido de desculpas pelo massacre e o compromisso com o fim das incursões policiais nas favelas cariocas sustentadas no uso do Caveirão e de armas de guerra".

A íntegra do texto é a seguinte:

"ESTADO QUE MATA, NUNCA MAIS!

Nós, instituições e cidadãos da Maré, tornamos público o nosso veemente repúdio a ação policial ocorrida nos dias 24 e 25 de junho na comunidade de Nova Holanda, provocando violações de direitos dos moradores e a morte de dez pessoas. 

Lamentamos que durante a citada operação tenha também ocorrido a morte de um policial militar. Mas estamos indignados com ações arbitrárias e violentas que agridem famílias e provocam execuções sumárias. 

O uso recorrente da violência demonstra, de modo inequívoco, o despreparo para a garantia da segurança pública e o desrespeito permanente à vida dos cidadãos por parte do Estado. É preciso estabelecer, de uma vez por todas, que a ordem pública não se confunde com o emprego indiscriminado da força policial.

Os fatos ocorridos na comunidade Nova Holanda são tragicamente comuns em diversas favelas da cidade do Rio de Janeiro. Sabemos muito bem qual é a sua cor e sua dor. Precisamos dizer: Nunca mais!

Não admitimos ocupações policiais desastrosas, autoritárias e brutais em nossas comunidades!

Não é mais aceitável a política militarizada da operação do estado nos territórios populares como se esses locais fossem moradas de pessoas sem direitos!

Responsabilizamos o Governador do Estado e o Secretario de Segurança Pública pelas ações policiais nas favelas. 

Em memória dos mortos na maré nos dias 24 e 25 de junho, conclamamos todos os cidadãos e cidadãs do Rio de Janeiro para um Ato Ecumênico na Avenida Brasil, no dia 02 de julho, entre as passarelas 7 e 10 da Avenida Brasil. 

A concentração será a partir das 15h na passarela 9 para dizer: ESTADO QUE MATA, NUNCA MAIS! 

Em memória de:
Ademir da Silva Lima, de 29 anos, 
André Gomes de Souza Júnior, de 16 anos,
Carlos Eduardo Silva Pinto, de 23 anos,
Ednelson dos Santos, de 42 anos, 
Eraldo Santos da Silva, de 35 anos,
Fabrício Souza Gomes, de 26 anos, 
Jonatha Farias da Silva, de 16 anos,
José Everton Silva de Oliveira, de 21 anos,
Renato Alexandre Mello da Silva, de 39 anos, 
Roberto Alves Rodrigues. 

Instituições organizadoras:

Associação de Moradores e Amigos do Conjunto Esperança (AMACE)
Associação de Moradores da Baixa do Sapateiro
Associação de Moradores de Conjunto Bento Ribeiro Dantas
Associação de Moradores Marcílio Dias
Associação de Moradores do Morro do Timbau
Associação de Moradores Roquete Pinto
Associação de Moradores Nova Maré
Associação de Moradores Praia de Ramos
Associação de Moradores Conjunto Pinheiro
Associação de Moradores Parque Ecológico
Associação de Moradores da Nova Holanda
Associação de Moradores do Parque União (AMPU)
Associação dos Moradores do Parque Maré
Associação dos Moradores do Parque Rubens Vaz (Amrpv)
Associação de Moradores da Vila do João (AMOVIJO)
Centro Municipal de Saúde Hélio Smidth
Centro Social Tecnobox
Cidade Escola Aprendiz
Conselho de Moradores da Vila do Pinheiro (COMOVIP)
Cooperativa de Reciclagem Eu Quero Liberdade Ltda - COOPER Liberdade
Instituto Vida Real
Luta pela Paz
Observatório de Favelas
Projeto Uerê
Redes de Desenvolvimento da Maré
ROÇA! Produtos Naturais e Orgânicos

Leia aqui o panfleto da Regional 4 sobre o tema 


segunda-feira, 1 de julho de 2013

Manifestação marca final da Copa das Confederações do lado de fora do Maracanã

Foto: Samuel Tosta
O palco da grande final da Copa das Confederações neste domingo, entre Brasil e Espanha, foi também o principal destaque de dois protestos realizados  na Zona Norte do Rio de Janeiro. 
No primeiro ato, os manifestantes que caminharam por cerca de duas horas de forma pacífica, pediam principalmente o fim da concessão à iniciativa privada do Maracanã, que vai receber também jogos da Copa do Mundo de 2014 e da Olimpíada de 2016. 

"Se o Maraca privatizar, o Rio vai parar", gritavam eles, em uma adaptação à primeira frase do movimento, que pedia a redução da tarifa de ônibus. O Sepe também participou da manifestação pacífica cobrando melhoras na educação.

Entre as reivindicações ainda estavam o fim das remoções de moradores em áreas que receberão obras em função dos dois grandes eventos. Uma carta com cada um dos pontos seria lida em frente ao estádio, mas uma barreira policial já havia fechado todos os acessos meia hora antes do que havia sido divulgado pela prefeitura. 
Ao se deparar com a tropa armada, os manifestantes se sentaram no chão diante dos policiais e fizeram um minuto de silêncio em sinal de luto pelas vítimas da operação no Complexo da Maré, que deixou dez mortos na última terça-feira. "A Maré existe, a Maré resiste", entoaram.


Siga-nos pelo seu e-m@il

As 10 postagens mais acessadas

Seguidores