quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

VITÓRIA! MOBILIZAÇÃO OBRIGA PREFEITURA A CONVOCAR 80 MERENDEIRAS

Porém luta ainda não acabou! 
Queremos a convocação das 500 merendeiras aprovadas!

   
    Depois de muita luta a prefeitura do município do Rio publicou em Diário Oficial, do dia 26/11, a convocação de 80 merendeiras aprovadas no concurso público de 2008. A convocação foi feita através do decreto nº 1.175 do prefeito Eduardo Paes, e já especifica as áreas de trabalho. As merendeiras devem receber telegramas com a data e local da apresentação.
      O sindicato esclarece também às merendeiras convocadas que fiquem atentas aos exames médicos. O Sepe está disponível para ajudar com qualquer problema que porventura as convocadas tenham na apresentação.
      Por fim, o Sepe saúda as novas profissionais da prefeitura em essa grande conquista. Mas lembramos também que ainda restam cerca de 400 merendeiras para serem convocadas no mesmo concurso. Continuaremos a lutar para que essas profissionais e todos os demais que estejam na lista de espera dos aprovados em concursos da rede municipal sejam convocados.

Audiência pública na Alerj discute demolição do Iaserj

   A Comissão de Trabalho da Alerj realizou hoje uma concorrida audiência pública para discutir a demolição do prédio do Iaserj Central, prevista para começar em 8 de dezembro. A audiência discutiu também a futura doação do terreno ao Inca. Estavam presentes sete entidades sindicais, incluindo o Sepe, e representantes do MP estadual e da Defensoria da União. Na data prevista para o início da demolição, o Sepe realizará em frente ao Iaserj a “Ceia da miséria”, um evento anual, próximo do Natal, em que a grave situação dos servidores estaduais é denunciada. Este ano, o protesto terá o caráter específico de denunciar a demolição do Iaserj Central.
   Segundo deputados da Comissão, os processos de desativação e transferência do Iaserj estão sendo feitos de maneira arbitrária, sem transparência quanto ao destino das instituições. Os deputados também querem saber para onde vão os recursos que foram aplicados nestas instituições, e o que será feito com os equipamentos que lá estão, que são recursos públicos.
    Na audiência, o procurador do Ministério Público Leonardo Chaves disse na audiência que pedirá na Justiça a suspensão da demolição do prédio. A denúncia contará com documentos e informações passadas pelas entidades presentes, como a Associação de Funcionários do Iaserj (Afiaserj). O defensor público da União, André Oldacyr, também presente, afirmou que a demolição e posterior doação “não têm amparo legal”. Ele disse que enviará toda a documentação que tem sobre o assunto para o promotor do MP, para ajudar na ação.

Siga-nos pelo seu e-m@il

As 10 postagens mais acessadas

Seguidores