terça-feira, 5 de julho de 2011

Escolas estaduais do Rio em greve - assembleia decide continuar paralisação


Assembleia dos profissionais de educação da rede pública estadual do Rio, realizada no clube Hebraica, em Laranjeiras, decidiu pouco continuar a greve nas escolas, iniciada quase um mês, no dia 7 de junho. Amanhã, quarta-feira (dia 6), às 14h, o Sepe participa de uma audiência no Gabinete do líder do Governo, na Alerj, deputado André Correa, para discutir as reivindicações da categoria. Nesta reunião, estarão presentes o secretário de Educação Wilson Risolia e representantes da Casa Civil do governo. Na sexta, dia 8, às 14h, a categoria realiza nova assembleia, no Clube Municipal, na Tijuca, para discutir os rumos do movimento, tendo em vista a reunião com o governo amanhã.

Hoje, uma grande passeaa da educação mostrou toda a força da mobilizaçao da rede estadual. Nem mesmo o mau tempo e o frio conseguiram impedir que milhares de profissionais realizassem uma grande marcha até o Palácio Guanabara. A força da greve começa a fazer o governo estadual a abrir a negociações e, na audiência desta quarta-feira, a categoria espera que os representantes do governo apresentem uma contraproposta que venha ao encontro das nossas reivindicações para que a categoria possa discutir na assembléia da próxima sexta os rumos da greve nas escolas estaduais.

Eis as principais reivindicações da categoria: reajuste emergencial de 26%; incorporação imediata da gratificação do Nova Escola (prevista para terminar somente em 2015); descongelamento do Plano de Carreira dos Funcionários Administrativos.

Antes da assembleia ocorrerá Conselho Deliberativo da rede, também no Clube Municipal, a partir das 8h.

Calendário da greve:

Quarta (dia 6): reunião com o governo na Alerj, às 14h;reuniões nas escolas com a comunidade;

Quinta (dia 7): atos públicos descentralizados nas regionais e núcleos;

Sexta (dia 8): assembleia às 14h, no Clube Municipal, na Tijuca - conselho no mesmo local, a partir das 8h.

Contra a Reforma da Previdência e a privatização das escolas municipais: 6 de julho é o Dia de Luto na rede municipal do Rio

6 de julho será o Dia de Luto nas escolas municipais do Rio contra os ataques feitos pela prefeitura aos direitos dos profissionais de educação e à escola pública. Após um semestre onde vários escândalos aconteceram, a Câmara de Vereadores agora entra em recesso para em agosto votar o PLC 41 e o PL1005 em caráter de urgência. Dois projetos que tem o objetivo de acabar com nossa aposentadoria e nosso fundo de previdência.

O Projeto de Lei 1005 trata da capitalização do FUNPREVI e permite que os 25% das verbas para educação sejam usados para o pagamento de aposentadorias e pensões. O prefeito não aplica os 25% (em 2011 foram apenas 17%) e ainda transfere a maior parte para empresas privadas que mandam hoje em dia nas escolas. Com a aprovação do PL1005 sabemos o que ocorrerá: a destruição total da escola pública.

o objetivo do PLC nº 41 é acabar com os poucos direitos que diferenciam a previdência do serviço público e a do regime geral de previdência (INSS). Com este PLC serão extintas a integralidade (direito de se aposentar com salário integral), a paridade (direito de ter reajuste igual aos servidores ativos) - e apenas 70% do salário para pensionistas.

Por isso vamos dizer não a estes projetos e à privatização! Vamos discutir com nossos colegas, listar nossas indignações e levar nossas propostas para a assembléia dia 14 de julho, na ABI, às 18h.

06/07 - DIA DE LUTO NA REDE MUNICIPAL

Siga-nos pelo seu e-m@il

As 10 postagens mais acessadas

Seguidores