quinta-feira, 14 de julho de 2011

Sepe esclarece sobre a audiência com presidente da Alerj e com secretário Risolia

fax-simile da "ata" da reunião
Em audiência que terminou pouco (20h30) na Alerj, o deputado Paulo Melo, presidente da Alerj, falando em nome do governo do estado, anunciou ao Sepe quatro propostas, tendo em vista a lista de reivindicações dos profissionais de educação:

1) Reajuste de 26%: o governo se compromete a formar uma mesa de negociação com o Sepe no início de agosto para discutir especificamente a proposta do sindicato de reajuste emergencial de 26%. Paulo Melo condicionou a formação desta mesa com o fim da greve;

2)Antecipação imediata da Gratificação Nova Escola: não houve novidade. O governo manteve a proposta de antecipar somente a parcela de 2012 em 2011;

3)Descongelamento do Plano de Carreira dos funcionários administrativos: o governo mandará em agosto um Projeto de Lei à Alerj, descongelando o plano;

4)Animadores Culturais: Paulo Melo anunciou que orientou a Procuradoria da Alerj a defender a PEC que regulariza a profissão de animador cultural na rede.

Além
de Melo, estavam presentes os secretários Wilson Risolia (Educação), Sergio Ruy (Planejamento) e Wilson Carlos (secretário de Governo).

Amanhã
, às 14h, a categoria realiza assembleia no Clube Municipal, na Tijuca, para discutir as propostas do governo e os rumos da greve - com isso, a greve ESTÁ MANTIDA pelo menos até a assembleia desta sexta.
Após a reunião realizada na ALERJ, o sindicato se recusou a assinar a ata apresentada (acima), pois esta não expressava de forma fiel a reunião em questão, não constando a posição da direção do sindicato frente a suspensão da greve, condicionada aos pontos de avanço. A direção do Sepe reafirma que a suspensão da greve somente pode ser aprovada pela categoria reunidada em assembléia.

Ainda na ata, somente os deputados sublinhados estavam presentes na reunião.

Leia a ata que o Sepe se recusou a assinar aqui.


Enquanto
a audiência era realizada, cerca de 500 profissionais das escolas públicas estaduais do Rio realizavam ato público em frente à Secretaria de estado de Educação (Seeduc), com a presença de parlamentares e líderes do movimento social. No mesmo local, desde o dia 12, cerca de 100 profissionais estão acampados em protesto contra as más condições de trabalho e os baixos salários.

Eis
as principais reivindicações da categoria: reajuste emergencial de 26%; incorporação imediata da gratificação do Nova Escola; descongelamento do Plano de Carreira dos Funcionários Administrativos.

O piso salarial do professor é R$ 638,00; o do funcionário da escola, R$ 433,00. Cerca de 20 professores por dia útil saem das escolas estaduais, entre exonerados e aposentados uma carência de mais de 10 mil professores na rede, mas os baixos salários não atraem novos professores.

Além
das reivindicações citadas acima, a categoria luta por: reforma urgente da estrutura física das escolas; regulamentação dos animadores culturais; eleição de diretores de escolas; concurso público para professor e funcionário; paridade para os aposentados; e a revitalização do Iaserj.
 

Profissionais do estado fazem ato em frente à Seeduc


Cerca de 500 profissionais das escolas públicas estaduais do Rio realizam neste momento ato público em frente à Secretaria de estado de Educação (Seeduc). 

Em greve desde o dia 7 de junho, a categoria aguarda o resultado da audiência com o governo, que está sendo realizada no Gabinete do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Paulo Melo.

Amanhã, às 14h, a categoria realiza assembleia no Clube Municipal, na Tijuca, para discutir os rumos da greve.

Grevistas protestam enquanto aguardam a negociação com o secretário de educação e parlamentares.

Nota oficial sobre hora-aula dos professores estaduais

A direção do Sepe esclarece que:

1 - o estudo comparativo das horas-aula pagas aos professores é de autoria e responsabilidade da direção do sindicato e não do Dieese. A subseção do Dieese que funciona no Sepe elabora uma série de estudos para o sindicato, mas não elaborou especificamente a parte citada pelo Jornal O Dia hoje.

2 - A Direção do Sepe reafirma as contas apresentadas. Veja quadro acima com a metodologia utilizada para calcular o valor da Hora-aula do professor do Estado;

3 - A conta apresentada pela SEEDUC está equivocada pois considera que a carga horária mensal do professor é de 64 tempos (a SEEDUC esquece que os meses não tem exatas quatro semanas!). O cáculo correto é considerar quatro semanas e meia para fins de cálculo.

4 - A realidade comprova que as contas do SEPE estão corretas. Considerando um professor que trabalhe segunda e quarta feira e divida sua carga horária igualmente entre os dois dias, veremos que este professor ministrou ou ministrará o seguinte número de aulas por mês:





Março: 72 tempos.

Abril: 64 tempos.

maio: 72 tempos.

Junho: 72 tempos.

Agosto: 80 tempos.

Setembro: 64 tempos.

Outubro: 72 tempos.

Novembro: 72 tempos.


Obs. situações semelhantes ocorreriam caso escolhessemos quaisquer dias da semana ou se dividíssemos a carga horária em três dias semanais. Ou seja, mais uma vez a SEEDUC manipula os números para esconder os baixíssimos salários pagos aos profissionais da educação! Por fim, como o estudo é comparativo, caso adotássemos a metodologia empregada pela SEEDUC e aplicássemos às demais redes, o resultado comparativo seria o mesmo!

Acampamento na internet 24 horas.

Página criada pela Comunidade dos Professores Estaduais no Orkut.
Estão gravando o acampamento 24 horas.
Divulguem!


Acesse por  http://twitcast.me/user/soseducacaorj

Audiência com o governo foi transferida para o gabinete do presidente da Alerj Paulo Melo


Fruto da pressão e da mobilização da categoria que tem conseguido o apoio de toda a população e, até mesmo de setores conservadores da mídia, que questionam a todo o momento o governo a respeito das denúncias dos profissionais sobre os baixos salários e a situação da educação estadual, o presidente da Alerj Paulo Melo telefonou ontem e anunciou que a audiência da tarde de hoje - que seria realizada na SEEDUC - foi transferida para o gabinete dele, na Alerj, a partir das 17h. Paulo Melo afirmou que intercederá pessoalmente junto ao governo estadual para que a negociação de hoje consiga avançar e que tentará conseguir uma contraproposta do governo para as reivindicações do sindicato e da categoria.

O Sepe marcou para hoje um ato-vigília no acampamento da educação, na porta de SEEDUC, na Rua da Ajuda, a partir das 14h, para que possamos acompanhar os desdobramentos da audiêincia.

Centenas de profissionais continuam acampados na Rua da Ajuda desde a terçca-feira, dia em que a educação estadual promoveu um ato no local e manteve uma ocupação do gabinete do secretário Risolia. Ontem á noite, os profissionais fizeram um arraial, com quadrilha e comidas típicas e com a participação de um trio de forró, vindo de Duque de Caxias, que animou a acampamento.

Fotos da festa Junina do Sepe na Seeduc


Os profissionais das escolas estaduais na noite de quarta-feira, dia 13, realizaram uma festa junina em frente à sede da Seeduc, onde dezenas de professores e funcionários estão acampados em protesto contra a falta de propostas de reajuste salarial do governo Cabral para a Educação, em greve desde o dia 7 de junho - veja mais fotos da festa aqui.

Siga-nos pelo seu e-m@il

As 10 postagens mais acessadas

Seguidores