segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Forum em Manguinhos discute a situação da Educação

O Fórum do Movimento Social de Manguinhos convida para Fórum SOS Educação em Manguinhos, terça, 23 de agosto de 2011, 17h-20h no Centro de Referência da Juventude-CRJ de Manguinhos, Av. Dom Hélder Câmara, atrás da C.E. Luiz Carlos da Vila e da UPA-Manguinhos.

Governador ofende educadores estaduais em Nilópolis

Mais uma vez o governador Sérgio Cabral ofende trabalhadores, mostrando todo o seu despreparo para lidar com as diferenças e o descompromisso para com os cidadãos do Estado do Rio de Janeiro, ao atacar a educação estadual. Desta vez, o ataque foi contra professores e funcionários que foram chamados por Cabral de vagabundos, em Nilópolis.

Aproveitando a presença do governador na inauguração de uma unidade da UPA, no dia 5/8, no município, professores e funcionários da rede estadual foram denunciar o abandono e o descaso do governador com a educação em nosso estado. Demonstrando irritação e descontrole, Cabral, durante o seu discurso, atacou aos profissionais de educação que lá se encontravam de vagabundos.

O ataque de Cabral não obteve o apoio da população presente que se demonstrou solidária aos professores e funcionários da rede estadual, em greve há dois meses. Na verdade, a irritação de Cabral é uma nítida demonstração que a greve da categoria segue forte.

Rede estadual em greve: envie um email para os deputados cobrando a aprovação das emendas para os propostas enviadas pelo governador para votação


Publicamos abaixo a lista dos email dos deputados da Alerj, que estão discutindo as propostas enviadas pelo governador Sérgio Cabral para a rede estadual. O Sepe solicita à categoria que mande mensagens cobrando dos deputados uma posição favorável às emendas que melhoram as propostas do governo e que contemplem as reivindicações dos profissionais das escolas estaduais em greve há mais de dois meses.

Veja abaixo a lista dos emails dos parlamentares:

Seeduc garante que não existe orientação para retirar a lotação de professores

A direção do Sepe entrou em contato hoje com o subsecretário estadual de Educação, Antonio Neto e cobrou do dirigente se é verdade que a Secretaria Estadual de Educação (Seeduc) está retirando a lotação de professores que estejam fazendo greve. Neto negou que a Seeduc esteja fazendo isto. Ele afirmou que não existe nenhuma orientação por escrito ou verbal para as direções dos colégios agirem desta forma.

O Sepe já alertou o governo que não aceitará esta atitude por parte da Seeduc. A lotação é um direito do servidor, que não pode ser ameaçado por fazer greve.

Para o sindicato, é inadmissível que o governo possa ter alguma atitude retaliadora à greve em plena negociação salarial com o Sepe e com os próprios deputados, como está ocorrendo neste momento, quando uma proposta salarial do governador Cabral se encontra na Alerj para ser discutida e votada.

O Sepe orienta a categoria a denunciar qualquer retaliação à greve. Lembramos que a própria legislação nos garante o direito de greve.

O Globo faz pesquisa sobre a greve


O site de O Globo faz pesquisa sobre a greve na Educação estadual. Até o momento, 665 pessoas votaram. A pergunta é "Você é a favor da greve dos professores?"; 87.52% votaram "Sim, pois acho que eles recebem pouco".

Já 9,62% optaram por "concordo com as reivindicações, mas não com a forma como elas têm sido feitas" - e menos de 3% são contra a greve.

A pesquisa está disponível no link Educação do site e o leitor tem que se cadastrar para votar.

Niterói consegue liminar contra desconto da greve

A rede municipal de Niterói está em greve desde a semana passada. O Jurídico do Sepe ganhou hoje uma liminar que impede o desconto dos dias parados por causa da greve. A categoria reivindica: reajuste emergencial de 16,62%; plano de carreira e redução da carga horária dos funcionários das escolas.

* Atenção, se você estiver vendo anúncios comerciais em nosso site informamos que os mesmos não são autorizados pelo Sepe. Nossa manutenção está trabalhando para retirá-los do site.

Acréscimo – o advogado do Sepe José Eduardo enviou email, detalhando como o sindicato conseguiu a liminar: “serve a presente para informar que a Juiza da 08ª Vara Cível da Comarca de Niterói, Dra. BEATRIZ PRESTES PANTOJA, onde tramita a Ação Civil Pública, Processo nº 1029528-71.2011.8.19.0002 , ajuizada pelo DJ do Sepe, concedeu no fim da tarde de hoje decisão liminar "DEFERINDO A MEDIDA ANTECIPATÓRIA pleiteada, determinando ao Município réu, que se abstenha de suspender o pagamento ou de descontar os dias paralisados nos vencimentos e salários dos servidores da Rede Municipal de Educação de Niterói, abarcados pelo movimento grevista, bem como se obrigue a não fazer qualquer retaliação, pelo mesmo motivo de greve, até o julgamento da presente. Tal decisão, que segue abaixo, sem dúvida alguma representa uma vitória importante, que certamente em muito fortalecerá a luta dos profissionais de educação".

Eis a decisão: Processo nº: 1029528-71.2011.8.19.0002

Tipo do Movimento: Decisão

Descrição: Trata-se de Ação Civil Pública com pedido liminar, intentada pelo SINDICADO ESTADUAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO DO RIO DE JANEIRO, em face do MUNICÍPIO DE NITERÓI, objetivando que o Município de Niterói, ora réu, se abstenha de suspender o pagamento ou de descontar os dias paralisados nos vencimentos e salários dos servidores da Rede Municipal de Educação de Niterói, por conta do movimento grevista deflagrado, bem como se obrigue a não fazer qualquer retaliação, pelo mesmo motivo, nos termos legais invocados, até o julgamento da presente. Como causa de pedir, o autor alega que a categoria dos servidores a que representa, há muito tempo vêm reivindicando dos representantes do Governo Municipal de Niterói o reajuste salarial, o cumprimento da legislação local, a adequação do funcionalismo municipal aos preceitos constitucionais do concurso, além de meios dignos de trabalho e remuneração adequada. Sustentam, ainda, que foram tentadas a marcação de audiências com o Sr. Presidente da Fundação Municipal de Educação de Niterói, para tratar dos interesses da categoria, bem como enviados diversos ofícios a Secretaria Municipal de Educação de Niterói, tentando-se estabelecer um diálogo entre Sindicado Autor e o Réu, a fim de obter repostas e soluções para a pauta de reivindicações, contudo, sem lograr êxito. Por derradeiro, alegam que após a realização de uma audiência e a negativa do réu em atender a pauta de reivindicações da categoria, a mesma decidiu pela deflagração da greve, momento em que o réu começou a promover retaliações contra os servidores que aderiram ao movimento, ameaçando descontar de seus contra-cheques, os dias de paralisação. É o relatório. Decido. A questão versada nos autos não é pacífica, razão pela qual se impõe fazer um breve comentário sobre o instituto da greve. A Constituição de 1988 reconhece expressamente a greve como direito fundamental tanto para os trabalhadores em geral (art. 9º), quanto para os servidores públicos civis (art. 37, VII). Dispõe o inciso VII do art. 37 da Constituição da República, que agora nos interessa: ´VII - o direito de greve será exercido nos termose nos limites definidos em lei específica´. A referida ´lei específica´ até a data de hoje ainda não foi elaborada. Assim, a existência da ´mora´ em regulamentar o citado dispositivo, no âmbito da Administração Pública direta, autárquica e fundacional, tem suscitado discussões doutrinárias e jurisprudenciais. Duas correntes se manifestam antagonicamente, de forma cristalina. Uma sustenta a eficácia contida do preceito constitucional, sendo possível o exercício do direito antes mesmo da edição da lei, e na sua ausência, que seja aplicada no que couber, por analogia, a Lei nº 7783/89, que regula o direito de greve na iniciativa privada. A outra corrente entende que tal dispositivo não se executa por si mesmo, e que tal direito do servidor somente poderá ser exercido após norma infraconstitucional, que antes da emenda nº 19/98, deveria ser por lei complementar, mas agora por lei ´lei específica´, ou seja, lei ordinária. Filio-me a primeira corrente, pelos motivos a seguir expostos. Pelo princípio da legalidade, pelo qual a Administração só pode fazer o que a lei determina, quando há greve, estando o Poder Público em ´mora´ com a edição de lei de greve específica para o setor público, não se pode falar em corte ou suspensão de pagamento de salários dos servidores que, efetivamente, participem dos movimentos, pela cristalina falta de amparo no ordenamento jurídico legal. Entendo, ainda, que o desconto do salário do trabalhador grevista representa a negação do direito de greve, uma vez que retira deste o seu meio de subsistência, aniquilando o próprio direito, em verdadeira afronta ao princípio da dignidade da pessoa humana. O sofisma apresentado na petição inicial confronta o exercício de um direito público subjetivo do trabalhador-servidor, com a inexistência de norma regulamentadora e fato administrativo apto a suspender verba de natureza alimentar dos grevistas, como meio de punição ou retaliação ao movimento deferido no texto da Lei Fundamental. Tal paradoxo não pode prosperar em favor do ato administrativo levado a cabo pela Administração local. Nessa ordem de idéias, os profissionais da educação do Município de Niterói, exercendo seu legítimo direito à greve, não podem sofrer, condutas aptas a afastá-los de tal prerrogativa constitucional. A mora legislativa na regulamentação do direito à greve, não pode ser capaz de sonegar aos destinatários o seu exercício, porque como já se disse, seria premiar o Estado por sua omissão Se a greve existe como prática de fato e alcança efeitos jurídicos, resta evidente se constatar que a autorização para suspensão de verba alimentar-remuneração, inviabilizaria o seu pleno exercício. O simples corte de ponto como ato que tem por finalidade a suspensão da greve, terá conseqüências catastróficas no orçamento de todas as famílias atingidas, justamente quando o servidor busca para si recomposição das perdas remuneratórias. Daí o descompasso evidente, merecedor da intervenção do Judiciário, reatando o abismo, criado na hipótese, entre as finalidades constitucionais do instituto da greve dos servidores e os poderes administrativos hierárquicos, exercidos com a finalidade única de impor radical sanção aos grevistas. Destarte, reconheço a verossimilhança das alegações, assim como o perigo de dano de difícil reparação ao direito dos representados, DEFERINDO A MEDIDA ANTECIPATÓRIA pleiteada, determinando ao Município réu, que se abstenha de suspender o pagamento ou de descontar os dias paralisados nos vencimentos e salários dos servidores da Rede Municipal de Educação de Niterói, abarcados pelo movimento grevista, bem como se obrigue a não fazer qualquer retaliação, pelo mesmo motivo de greve, até o julgamento da presente. Cite-se e intime-se o réu, em caráter liminar. Intime-se o Ministério Público.

Greve nas escolas estaduais: Assembleia nesta terça (9 de agosto) vai definir os rumos da paralisação na rede estadual

Os professores e funcionários administrativos das escolas estaduais, em greve há mais de dois meses, realizam uma assembleia geral nas escadarias da Alerj nesta terça-feira (dia 9 de agosto), a partir das 14h. O objetivo da assembleia na Alerj é acompanhar as negociações no legislativo estadual em torno das propostas enviadas pelo governador Sérgio Cabral para serem votadas pelos deputados e pressionar os parlamentares a incluírem emendas nos dois projetos de lei que melhorem o índice de reajuste (3,5%) e garantam a incorporação imediata da totalidade das gratificações do Programa Nova Escola. Durante a semana passada, a direção do Sepe visitou os gabinetes de deputados, tanto da bancada governista como da oposição, que se mostraram favoráveis à inclusão de emendas que aproximem a proposta do governo com as reivindicações da categoria.

O Sepe tem recebido queixas de profissionais que estão fazendo a greve e estão sofrendo ameaças das direções das escolas de substituição por professores contratados. O Sepe já alertou o governo que não aceitará tais medidas por tender que a greve é um direito dos servidores e que a contratação é uma retaliação à greve que, até o presente momento, não foi julgada pela Justiça.

Para o sindicato, é inadmissível que a Seeduc promova retaliações justamente num momento de negociação com o governo e com os próprios deputados. O Sepe já enviou propostas de emendas às mensagens do governador e continua aberto às negociações.

* Atenção, se você estiver vendo anúncios comerciais em nosso site informamos que os mesmos não são autorizados pelo Sepe. Nossa manutenção está trabalhando para retirá-los do site.

Siga-nos pelo seu e-m@il

As 10 postagens mais acessadas

Seguidores