segunda-feira, 4 de julho de 2011

Audiência termina sem acordo e Justiça terá que decidir sobre corte do ponto


Terminou há pouco sem acordo a audiência especial de conciliação na 3ª Vara de Fazenda Pública do Tribunal de Justiça do Rio para discutir o pedido de liminar do Sepe contra o governo do estado para a devolução de salário descontado e abstenção de desconto dos demais dias paralisados desde o início da greve nas escolas estaduais, no dia 7 de junho. Como o governo não aceitou oficializar na Justiça (no próprio acordo entre as partes) estas reivindicações, consideradas fundamentais para a categoria, vinculando com a reposição dos dias parados e da realização do Saerj, o acordo entre as partes não ocorreu. Desta forma, caberá agora ao juiz Plinio Pinto Coelho Filho julgar o pedido de liminar do sindicato. O juiz disse que assim que receber de volta os autos do processo, que estão neste momento com o MP, ele irá proferir sua decisão. O MP afirmou que devolveria os autos de forma célere.

Um dos motivos alegados pelo Sepe para exigir que o governo discriminasse no acordo o não desconto dos dias parados é que no primeiro governo Cabral houve o compromisso de não devolver os dias parados na greve que ocorreu ainda na gestão do ex-secretário Maculan - mas o governo descumpriu este trato.

Amanhã, dia 5, tem marcha ao Palácio, quando cobraremos uma audiência imediata com o governador - a greve fará um mês de duração esta semana e só está se arrastando porque o governo não faz uma contraproposta justa e ainda desconta e reprime os profissionais de educação.

Todos à marcha, amanhã, com concentração às 9h no Largo do Machado.

Sepe discute com Metro 4 problemas no CE Leopoldina

Na sexta (dia 1), diretores do Sepe Central, da Regional 8 e profissionais do CE Leopoldina da Silveira tiveram uma reunião com a direção da escola para conversar sobre o problema ocorrido quando um rapaz que não fora identificado, utilizou uma faca para retirar uma faixa que pedia o fim da violência nas escolas. A diretora estava licenciada por conta do seu mestrado. Fomos recebidos então pela diretora adjunta Elisa.

Ela alegou não estar no colégio no dia em que ocorrera tal ato, e que só havia ouvido um lado da história. Questionamos a atitude de tal rapaz, cobrando um posicionamento da direção. A diretora adjunta Elisa informou que os esclarecimentos que solicitávamos só poderiam ser dados pela Metropolitana 4. A própria diretora ligou e marcou uma reunião para a mesma tarde.

Na metro 4 fomos recebidos pelo professor Robson, coordenador administrativo. Após esclarecimentos sobre a posição de algumas direções que proíbem a entrada do Sepe, solicitamos informações sobre o rapaz, bem como sua função junto à SEEDUC. O professor Robson afirmou que não poderia passar informações sobre este "funcionário".

Questionamos então como alguém que toma uma atitude tão questionável pode ter acesso livre em uma escola sem que ninguém saiba sua função. O professor Robson então chamou o professor Ricardo, coordenador pedagógico. O professor Ricardo disse que todos conheciam o rapaz que se chamava Saulo e sua função era organizar os grêmios. Porém, naquela semana estava acompanhando o SAERJ.

Colocamos então que sua tarefa não seria a de retirar nenhuma faixa e perguntamos se era um funcionário concursado ou contratado. O professor Ricardo colocou que as informações que queríamos só poderiam ser dadas pelo superintendente de gestão da rede, professor Paulo Fortunato. No mesmo momento, Ricardo agendou uma reunião com o professor Renato para segunda-feira dia 4 de julho.

Bombeiros, policiais civis e outros segmentos dos servidores estaduais também participarão da passeata da rede estadual ao Palácio Guanabara nesta terça (dia 5 de julho)

Durante a passeata que realizaram no último sábado (dia 2/7) - dia do bombeiro - os bombeiros decidiram participar da passeata da educação nesta terça (dia 5 de julho) do Largo do Machado ao Palácio Guanabara. Também confirmaram a participação na marcha, policiais civis e outros segmentos do funcinalismo estadual. A concentração para a passeata está marcada para as 9h, no Largo do Machado. Logo depois da passeata, a rede estadual fará uma assembléia no Clube Hebraica (Rua das Laranjeiras 346) para decidir os rumos da greve nas escolas do estado.

Siga-nos pelo seu e-m@il

As 10 postagens mais acessadas

Seguidores